Diferenças

Aqui você vê as diferenças entre duas revisões dessa página.

forma_de_publicacao_de_mangas [2011/09/02 14:11]
forma_de_publicacao_de_mangas [2014/08/01 17:18] (atual)
Linha 1: Linha 1:
 +===== Introdução =====  
 +  
 +POR LEONARDO LUGARINHO  
 +  
 +Hoje em dia, pode-se dizer que o mercado de mangás é um das áreas mais promissoras na área editorial, tanto no Brasil quanto no mundo. É uma das maiores pautas de exportação do Japão e, mais do que isso, é uma das formas mais conhecidas de expressão cultural nipônica no ocidente, da mesma forma que somos lembrados pelo samba. Mas é, com exceção dos países europeus, um fenômeno recente. E como tudo que é novo, há uma grande falta de informações documentadas.  
 +  
 +Aqui no Brasil, fomos um dos últimos a embarcar neste mercado. Mas isso não impediu que seja um mercado em franca expansão e que cresce por volta de 15% ao ano (estimativas extra-oficiais). Nosso primeiro mangá em um formato original e usando material negociado diretamente do Japão, [[Dragon Ball]] da editora [[Conrad]], é do final do ano 2000. Ou seja, não temos nem 6 anos de publicações de mangás (realmente houveram lançamentos esporádicos na década de 80 e 90, mas sempre com material que vinha dos Estados Unidos primeiro), enquanto países como a França e a Itália já tem um mercado consolidado desde o começo dos anos 90.  
 +  
 +Por essa nossa inexperiência, nós (os leitores) não entendíamos bem como funcionava o processo de publicação no Japão, já que todos os mangás agora vem de lá, e portanto, sujeito as regras orientais. Nossas editoras de mangás, por um lado, não ajudavam a esclarecer esse tipo de dúvida. Sempre davam respostas evasivas e nós sempre tinhamos a impressão de estarmos sendo enganados (e, em alguns casos, estavamos sendo mesmo). Por outro lado, os fãs juntavam o (pouco) que sabiam, mas acabou-se criando um monte de equívocos que persistem até hoje. Some um com o outro e temos um samba do crioulo doido. Páginas coloridas que saem em preto em branco, mangás que atrasam por "o autor ser preguiçoso", censura em alguns mangás. Por ser um fato que sempre me incomodou, tentei juntar o máximo de informações disponíveis sobre a publicação no Japão, como isso chega nas nossas mãos e juntar numa forma mais coesa possível.  
 +  
 +===== Teoria =====  
 +  
 +A maioria dos fãs atualmente sabem que os capítulos de um determinado mangá sai primeiro numa revista para ser posteriormente publicados em volumes individuais, num processo que se chama de "[[pré-publicação]]". Esses volumes individuais de um determinado mangá são chamados de "[[tankobons]]" ou "tankohons" que quer dizer "edição única", onde "única" se refere ao aspecto de ser uma compilação de um único título. Os tankobons contém de 160 a 240 páginas por volume em média, mas existem exceções. É neste formato que os mangás são publicados atualmente no Brasil, apesar que eles ainda não são uma cópia fiel do similar japonês.  
 +  
 +Voltando para as revistas, elas contém vários títulos que são publicados por um período de tempo. Esses títulos possuem uma temática semelhante, apesar de serem sobre assuntos diferentes. Para quem nunca viu uma revista dessas antes, é no mínimo curioso, principalmente pelo tamanho. Para efeitos de comparação, o tamanho é de duas listas telefônicas juntas. Estamos tão acostumados com o tamanho compacto dos mangás, que a palavra "trambolho" vêm a mente. Ainda mais se pensar que o Japão não é conhecido por coisas grandes, mas sim pelo oposto. Outra coisa a se notar é o papel de baixa qualidade (reciclado), que parece papel higiênico de rodoviária (não preciso ser mais detalhista, né?) e que na mesma edição pode ser cinza, rosa e amarelo, formando um conjunto carnavalesco que Joãozinho Trinta se orgulharia.  
 +  
 +Podemos dividir essas revistas por 3 principais características: sua [[segmentação]] (ou público-alvo), que pode ser [[Shonen]] (para garotos), [[Shoujo]] (para garotas), [[Seinen]] (para adolecentes/adultos homens), além de VÁRIOS outros segmentos (#1). Sua [[periodicidade]], que pode ser semanal, quinzenal, mensal ou especiais (que são irregulares) e a sua editora.  
 +  
 +(#1) - Note que estou dividindo os tipos de segmentos de mangás BEM generalizadamente. As divisões entre as revistas chegam a serem extremamente complexas e está LONGE de se criar um consenso ou regra que defina com precisão as fronteiras e os limites de cada segumento. O lado bom que isso é um ótimo objeto de estudo e ao mesmo tempo estimula as discussões na internet. E o que seria a internet sem uma boa discussão?  
 +  
 +Dessas 3 características, com certeza é a periodicidade que causa mais dúvidas no leitor brasileiro. Revistas semanais como a [[Shuukan Shonen Jump]] (semanal) (#2), como dito anteriormente, possuem vários títulos. Cada título publica um capítulo a cada edição, que contém cerca de 20 páginas. Já em revistas mensais, como a [[Afternoon]], os capítulos são maiores para compensar uma periodicidade menor, com 30 ou mais páginas por capítulo. Por este motivo, os tankobons que vem de revistas semanais contém de 8 a 11 capítulos por volume e os das revistas mensais tem de 5 a 8 capítulos por volume (para entrar na regra de 160 a 240 páginas por volume). Fazendo umas contas, pode se dizer que um novo tankobon de uma série semanal pode sair de 2 a 3 meses e de uma série mensal de 6 a 9 meses, mas não é bem assim na prática.  
 +  
 +(#2) - Também existe a [[Shonen Jump Mensal]]. Apesar de ser bem menos conhecida que a sua irmã, ela possuí títulos que se destacaram. Essa falta de conhecimento faz com que quando se fale de algo relativo a revista Jump se associe automáticamente com a Jump semanal, o que não é bem assim.  
 +  
 +Acontece que nem sempre os capítulos são publicados na data que deveriam. Isto vale tanto para o autor que não consegue entregar o capítulo antes do fechamento da revista, quanto o autor que publica numa periodicidade diferente da revista. [[Vagabond]], antes da paralização, saía quinzenalmente na [[Morning]], que é uma revista semanal. Enquanto isso para saber quando vão sair novos capítulos de [[Evangelion]] ou de [[Bastard!!]] precisa de poderes de clarividência, podendo ficar anos sem lançarem novos capítulos (#3). A revista também pode não ser publicada por motivos de força maior, como feriados. Ou seja, apesar da maioria das series terem uma frequência constante de lançamentos (afinal, ser desenhista é um emprego como qualquer outro e, para receber, eles tem que desenhar), não espere uma pontualidade britânica, principalmente de séries mensais.  
 +  
 +(#3) - Apesar de ser uma situação estranha para nós, isto é relativamente comum no Japão. Autores que publicam várias séries ao mesmo tempo as vezes se "esquecem" de um deles para dar prioridade a outra série e depois (que pode ser um hiato de anos) voltam a se dedicar. E por incrível que pareça, Bastard!! e Evangelion estão saindo regularmente em 2005 (!!!!).  
 +  
 +Apesar dos tankobons serem a reunião dos capítulos que saem nas revistas, eles não são os capítulos juntinhos com uma capa e um papel melhor. E mesmo os capítulos podem não ser exatamente iguais aos capítulos das revistas. Os tankobons podem ser diferentes na sua arte (#4), terem trechos inéditos (como capítulos extras, comentários do autor, ilustração dos fãs, etc.), terem capítulos completamente removidos (#5) ou não terem as famosas páginas coloridas. Esta questão foi extremamente polêmica quando os primeiros mangás sairam no Brasil. E não era para menos; comos os mangás são preto em branco na sua maior parte, fica a curiosidade de saber como o autor imagina os seus personagens coloridos, o que aumenta consideravelmente o valor afetivo destas ilustrações.  
 +  
 +(#4) - Alguns autores, por estarem atrasados ou por não terem muita paciência, mandam apenas esboços do storyboard (traduzindo: rabiscos) para a revista com a promessa que vão corrigir para a versão tankobon. Nem sempre eles conseguem cumprir. [[Yoshihiro Togashi]], o autor de séries famosas como [[Yu Yu Hakushô]] e [[Hunter X Hunter]], já ganhou a fama de ser o melhor autor de rabiscos que existe.  
 +  
 +(#5) - [[Berserk]] é o caso mais conhecido. O autor pediu para a editora não publicar um capítulo em especial no tankobon, alegando que o capítulo entregava alguns segredos antes do tempo. Este capítulo, conhecido como o "episódio perdido", não vai sair no Brasil.  
 +  
 +Sobre as páginas coloridas, 3 situações podem ocorrer: Elas serem publicadas no tankobon normalmente, elas nunca serem publicadas de nenhuma maneira (e então ficam exclusivas das revistas da pré-publicação) ou serem publicadas, não na versão tankohon mas numa republicação especial chamada de [[Kanzenban]] (que se traduz como edição definitiva), ou tambémtem autores que deixam a sua arte colorida para ser lançada em [[Art Books]]. O fato que só pode se publcar no Brasil a versão correspondente pelo contrato firmado com as editoras japonesas. Ou seja, se o contrato foi feito para a versão tankobon, eles só podem usar o material da edição tankobon, mesmo que exista edições melhores. Resumindo, a Shueisha nunca "perdeu" as páginas coloridas de Saint Seiya, o que o diga qualquer um que tenha a enciclopédia.  
 +  
 +===== Uso de versões internacionais =====  
 +  
 +A última coisa a ser mencionada é a censura que alguns mangás tiveram. O fato é que alguns títulos não tiveram o material vindo do Japão, e sim de uma edição de outro país (França, no caso de [[Cavaleiros do Zodíaco]]) e a tradução também era baseada nesta versão. Infelizmente, esses mangás continham censuras (tanto na arte quanto nos diálogos) ou adaptações equivocadas e que não foram corrigidas para a edição nacional. Até hoje alguns títulos não possuem o seu material, ou a sua tradução diretamente do seu país de orígem, o que faz com que essas falhas continuem. Chonchu, em algumas edições, são traduções linha por linha da edição francesa, apesar de eles usarem o material digital da Coréia. [[Éden]] teve uma tradução terrível, pois era mal adaptado da edição italiana. Apesar de nunca vi nada ser deliberadamente censurado no Brasil, continuamos importando textos que podem terem sido modificados.
 
 
Recent changes RSS feed Creative Commons License Donate Powered by PHP Valid XHTML 1.0 Valid CSS Driven by DokuWiki